Em São Paulo, Guarani-Mbya desenvolvem projetos de agricultura tradicional e recuperação do ecossistema

 

MILHO GUARANI AMilho Guarani

 

O milho Guarani, produzido em 14 variedades, é usado na maior parte dos alimentos tradicionais dos Guarani-Mbya e se concretiza como uma das peças-chave do Avaxi Nhemongarai, ou Batismo do Milho, ritual de grande importância em que as crianças recebem os nomes revelados ao líder espiritual.

 

Desde 2013, tem sido desenvolvido projeto de apoio à plantação do milho guarani usado para consumo e difusão das espécies entre as comunidades. A partir de 2017, o produto passou a ser comercializado para inclusão na merenda escolar das aldeias Rio Branco e Tangará por meio do Banco de Alimentos de Itanhaém – SP.

O projeto passou por várias etapas, desde a identificação do número de agricultores que ainda produziam as diferentes espécies do milho Guarani, passando por estratégias para transporte e armazenamento, até o apoio à produção propriamente dita, a partir da aquisição e transporte de insumos, ferramentas, uso de maquinário em algumas áreas ou aplicação de determinadas técnicas que favorecessem a saúde e nutrição das plantas.

GUARANI b

 

Palmito de juçara

Para os Guarani-Mbya, o jejy, ou palmito de juçara, é um dos tradicionais alimentos que propiciam o fortalecimento da alma sagrada no corpo. É consumido cru, puro ou com mel de jataí, assado ou cozido (também como sopa com frango). Recentemente, algumas aldeias passaram a consumir a polpa do fruto.

A fim de promover a regeneração do palmito de juçara, que se encontrava extremamente reduzido devido à extração e venda por fábricas clandestinas na década de 90, os Guarani-Mbya da Baixada Santista passaram a plantar palmeiras e reproduzi-las em viveiro. O processo de recuperação ambiental das áreas degradadas já acontece há 10 anos. Em 2015, com recursos do Projeto de Gestão Ambiental das Terras Indígenas - GATI, a aquisição de mudas chegou ao auge, alcançando o número de 150 mil mudas.

 

Desafios e conquistas

 

Rodrigo Thurler Nacif, antropólgo do Serviço de Gestão Ambiental e Territorial (Segat) da CR Litoral Sudeste, acompanha a implantação e desenvolvimento dos projetos nas aldeias Mbya.Ele aponta que, a princípio, questões logísticas, barreiras orçamentárias e limite de pessoal foram aspectos desafiadores, mas o envolvimento dos indígenas se mostrou preponderante para o sucesso das iniciativas. "Os agricultores indígenas são os verdadeiros donos dos projetos. É por conta deles que nós temos tido bons resultados em todas as regiões nas quais atuamos, que são o sudoeste, centro-oeste e litoral paulistas, o Vale do Ribeira, Baixada Santista, Região Metropolitana de São Paulo, Litoral Norte paulista e a Costa Verde do Rio de Janeiro", ressalta o indigenista.

GUARANI PRODUTOS

O acesso a programas governamentais e parcerias com as prefeituras são algumas das conquistas indígenas na região. Há, atualmente, aldeias que fornecem alimentos ao governo municipal para compor merendas nas escolas por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Popygua explica a participação da aldeia Aguapeú no programa e como a produção retorna à comunidade indígena, incentivando o consumo de alimentos tradicionais e saudáveis: "Uma parte da banana que a gente fornece para a prefeitura retorna para a escola da aldeia. Então, o consumo aumentou bastante. A gente está com demanda para fornecer outros produtos, mas, por enquanto, a gente não tem os produtos todos que as crianças necessitam para suprir a alimentação. Mas o nosso objetivo é fornecer todos os produtos direto da aldeia para a escola indígena e assim as crianças consumirem os alimentos da cultura, como batata-doce, mandioca, que ainda não conseguimos inserir. Mas, por enquanto, palmito pupunha e banana a gente conseguiu colocar na lista da prefeitura."

Algumas aldeias Mbya de sete terras indígenas do litoral norte, sul e da capital de São Paulo também foram contempladas pelo projeto Microbacias II, uma ação do governo do Estado de São Paulo que tem ampliado a competitividade e proporcionado o acesso ao mercado por parte dos agricultores indígenas. Ao total, foram repassados mais de RS 1 milhão de reais às comunidades para fortalecimento das atividades desenvolvidas.

Kézia Abiorana
Ascom/Funai, com informações de Rodrigo Nacif Thurler (CR Litoral Sudeste)

Destaques

class=

Com apoio da Funai e parceria de diversas instituições, a Organização dos Professores Indígenas do Município de Oiapoque (OPIMO) promoveu oficina voltada ao debate da regionalização da alimentação escolar indígena....

class=Cerca de 300 indígenas dos municípios de Cacoal-RO, Vilhena-RO, Juína-MT e Aripuanã-MT receberam a equipe dos Doutores Sem Fronteiras entre os dias 11 e 16 de julho. A missão contou com dois consultórios médicos e outros...

class=Cerca de 300 indígenas dos municípios de Cacoal-RO, Vilhena-RO, Juína-MT e Aripuanã-MT receberam a equipe dos Doutores Sem Fronteiras entre os dias 11 e 16 de julho. A missão contou com dois consultórios médicos e outros...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05