Projeto da aldeia Piaçaguera (SP) amplia possibilidade de inclusão de produtos indígenas na merenda escolar

merenda escolarA comunidade Tupi-Guarani da aldeia Piaçaguera, em Peruíbe (SP), avançou mais uma etapa importante no processo de inclusão de alimentos produzidos pelos indígenas no cardápio da merenda escolar. Em parceria com a Coordenação Regional Litoral Sudeste, as lideranças da comunidade apresentaram à secretária municipal do Meio Ambiente e da Agricultura de Peruíbe, Rosângela Barbosa, novas opções gastronômicas, elaboradas a partir da produção agrícola local, cujas receitas e modos de preparo visam construir diálogos entre a culinária indígena e não-indígena.

 

A proposta é alinhar a produção agrícola indígena à legislação atual que, segundo o projeto de Lei nº 11.947/2009 determina que, pelo menos 30%, do valor transferido a estados, municípios e Distrito Federal pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) deve ser utilizado na compra de gêneros alimentícios diretamente da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural, priorizando os assentamentos da reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e quilombolas.

 

O projeto apresentado pela comunidade da aldeia Piaçaguera atende parte das demandas de geração de renda e de segurança alimentar da população indígena da região e ainda pode ajudar as prefeituras das cidades na formulação e abastecimento da merenda escolar. De acordo com Gilberto Bueno, chefe do Serviço de Gestão Ambienta e Territorial (Segat) da CR, a apresentação e degustação dos pratos feitos pela comunidade, demonstram, além da capacidade de realização, que a produção da aldeia já pode efetivamente fazer parte da merenda escolar. "É essencial o apoio das prefeituras para viabilizar administrativa e operacionalmente as iniciativas que objetivam formatar um ambiente de maior segurança alimentar para as comunidades indígenas. Em cada localidade há especificidades na documentação e nos processos burocráticos que podem ser assimilados mais rapidamente com a participação dos gestores municipais", completa o servidor.

 

Segundo a secretária municipal, iniciativas como essas contribuem para fortalecer a autonomia alimentar das comunidades envolvidas, gerando renda e, sobretudo, permitindo a autossustentabilidade dessas unidades comunitárias. Rosângela Barbosa reiterou o interesse da Prefeitura de Peruíbe em trabalhar em parceria com a comunidade e com a Funai para viabilizar a inclusão de produtos indígenas no cardápio da merenda escolar. "Ainda há um longo caminho a percorrer para ampliar a visibilidade desse tipo de projeto", assinala a gestora para quem é obrigação das prefeituras e de outros órgãos públicos fomentar iniciativas que estimulem o modo de produção de comunidades indígenas, quilombolas e de agricultores familiares.

Produção parceira

O vice-cacique Diego, acompanhado de outros representantes da comunidade, mostra com orgulho as plantações de alface, o galinheiro móvel e o projeto de agrofloresta, que inclui espécies de jenipapo, banana, urucum, araçá verde e roxo, abacaxi, mandioca, além do viveiro de palmito. "O projeto foi iniciado há cerca de quatro anos e é direcionado inicialmente para o consumo interno da aldeia, mas dependendo do desempenho da produção, a venda pode também ser uma opção de geração de renda", declara o cacique.
merenda 3

 

Michel Idris, técnico responsável pelo projeto, ressalta que a proposta é aumentar gradativamente a participação da produção indígena na merenda escolar. Primeiro, ofertando apenas os produtos e depois a refeição completa e, assim, ampliar a rentabilidade da produção. "1 kg de bata-doce custa cerca de R$ 8,50 enquanto o prato de nhoque sai, aproximadamente, por R$ 20", calcula. O técnico também afirma que, a médio prazo, a ideia é solicitar que os produtos feitos pelos indígenas para consumo das próprias comunidades possam ser comercializados sem obrigatoriedade de apresentação do selo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que, segundo ele, poderá agilizar as transações comerciais. Segundo Michel, essa liberalidade processual já ocorre em algumas comunidades da Amazônia em razão do caráter 'especial' da produção e do consumo, podendo ser replicada no contexto das comunidades do litoral paulista.

Composição dos pratos criados pelos Tupi-Guarani

1. Opção

Hambúrguer de biomassa de casca de banana, salada mista de mamão, palmito, alface, tipá (massa de trigo), acompanhada de maionese de abacate com biomassa de banana e farofa feita com Plantas Alimentícias Não-Convencionais (Panc), entre quais Bredo ou caruru, beldroega e ora-pro-nóbis.

2. Opção

Escondidinho de aipim, com casca de banana refogada, acompanhada de tiras de casca branca de mandioca empanada.

3. Opção

Nhoque de batata-doce, com molho de tomate

4. Sobremesa de sorvete cremoso de mandioca

 

 

Wellinton Moraes

CR Litoral Sudeste

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05