Ministro Santos Cruz e presidente da Funai se reúnem com 34 lideranças indígenas do Médio Xingu em Altamira (PA)

ministro em altamiraO ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, e o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, se reuniram com 34 lideranças indígenas do Médio Xingu em Altamira (PA) nessa terça-feira (12), na Coordenação Regional da Funai na cidade.

 

A reunião foi solicitada por lideranças que foram à Brasília no mês passado exigir que o governo fosse à Altamira verificar as obras de compensação da empresa Norte Energia em razão da construção da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte. Ao todo, a UHE afetou mais de quatro mil indígenas da região.

As lideranças reivindicaram a presença da Polícia Federal e dos órgãos fiscalizadores na coibição de invasores nas Terras Indígenas do Estado, o processo de licenciamento e a continuidade da execução das obrigações referentes ao Plano Básico Ambiental de Belo Monte, a demarcação das TI's da região, a desintrusão da Terra Indígena Apyterewa, a participação dos indígenas na reestruturação da saúde e educação indígena e no monitoramento territorial das TI's da região, e o fortalecimento da Funai após a reestruturação do órgão pela Medida Provisória 870/19.

"Pela primeira vez eu vejo o governo aqui. Estou alegre e agradeço vocês virem ver de perto a nossa realidade, porque estou vendo que o governo está se empenhando para resolver o nosso problema. O ministro prometeu que viria e cumpriu sua promessa", disse Rodrigo Parakanã, liderança da TI Kuruaia, que denunciou a invasão de garimpeiros na base um do rio São Sebastião.

Franklimberg informou às lideranças que o presidente Jair Bolsonaro já ordenou três operações da PF em Rondônia para coibir invasores em Terras Indígenas e que as próximas serão nos Estados do Maranhão e do Pará. O ministro Santos Cruz ressaltou que o governo tomará as medidas necessárias para resolver o problema. "Invasão é crime. É caso de polícia. Vamos conversar com os ministros da Justiça e do Meio Ambiente e pedir reforço da Polícia Federal e do Ibama aqui no Pará ", afirmou o general.

 

ministro em altamira 2-3

As lideranças entregaram cartas ao ministro e ao presidente da Funai com todas as reivindicações da região. Representando os indígenas, Léo Xipaya pediu para que o governo olhe para as comunidades e escute as suas solicitações. "O nosso povo está morrendo sem saúde. Nós merecemos respeito. Foi garantido que o ministro viria e isso já é a garantia de um tempo novo para a gente", destacou.

Após a reunião, a comitiva do governo se reuniu apenas com o povo Parakanã para tratar da questão da desintrusão da Terra Indígena Apyterewa. Hoje, o local abriga cerca de 750 indígenas e 1200 famílias que não fazem parte da comunidade. Os Parakanã aguardam o processo de desintrusão desde 2017, quando a terra foi homologada.

O ministro Santos Cruz prometeu levar o assunto ao ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fuz na próxima semana.


Priscilla Torres
Ascom/Funai

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05